quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Um Escritor Nasce e Morre


Análise.1:
Em “ Um escritor nasce e morre” o narrador-personagem morava em uma cidadezinha pequena e em uma aula de geografia a professora falava sobre países longes e citou o Pólo Norte, foi ali que o escritor nasceu, quando o menino começou a escrever. Depois disso, escreveu a viagem da sua cidadezinha ao Pólo Norte, a professora tomou o texto e o afirmou como um grande escritor.
Foi assim que ele cresceu e foi embora de sua cidade, escreveu contos e poesias, não gostava de se achar um escritor literato, embora alguns companheiros da época o considerassem, e fazia críticas aos outros. Ao fundo ouvia uma voz que lhe afirmava ser um artista nato.
De volta a sua cidade, sentiu um vazio tão grande que era como se não houvesse ninguém, como se aos poucos fosse se transformando num deserto. Então aos trinta anos morreu (quando parou de escrever).

Análise.2:
O conto faz uma estreita relação com a realidade, as situações vividas pela personagem principal, é comumente percebida na sociedade atual. O escritor pode até ser famoso na sua área e os que apreciam a arte sabem o reconhecer, entretanto quando se faz uma escolha aleatória na população, poucos serão os que vão o reconhecer e saber do que se trata. Situação vivida pelo narrador-personagem quando ele retorna para sua cidadezinha.
A Literatura é uma nova saída para conquistar o mundo, em virtude disso, o personagem passa a escrever sobre o que não viveu, sobre o que vive e o que anseia viver. Essa necessidade de estar sempre criando é o que move o ser humano e o motiva a estar sempre buscando alcançar novos objetivos.
Essa expressão da criatividade pode ser muito bem aproveitada na Literatura, levando-o a diversos lugares, gostos e sensações, sem sair do lugar, apenas com um lápis na mão e um papel sobre a mesa.
Guardada, tímida e pouco apreciada, a Literatura segue no nosso dia a dia, mesmo que de forma abstrata. Há os que cantam, os que escrevem, os que pintam, os que lêem, os que fotografam.
No entender do professor de literatura Wolfgang: “Hoje a literatura é taxativa e rotulada. Ser famoso e escrever best seller não influi em que o que se escreveu venha a tornar-se literatura. É preciso que ele tenha algo mais. Há de se agradar a gregos e troianos.” ¹
Literatura é capacidade de transformação, expressão cultural, modo de vida, criatividade. Ainda que com um pouco de discriminação, literatura é arte.
Contudo, ser famoso não implica só em escrever bem, nem se delimita pelo que é comum. A literatura é imprevisível, incomum. Apesar de imprevisível, quando se surpreende o leitor, quando leva sentimentos que remetam lembranças/momentos para quem ler, é o que o traz contigo do inicio ao fim. Afirmo despretensiosamente, que este é o caminho da fama. Embora muitos escritores não busquem a fama, e sim são movidos por uma necessidade de levar sentimentos/emoções aos que por ventura os leiam. É o que ocorre com o narrador-personagem de “Um escritor nasce e morre”.

¹. Luis C. Wolfgang

Larissa Porto de Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário